Evento discute desafios da carreira na área médica Público-alvo foi de 5º e 6º anistas da Faculdade e residentes de 1º e 2º anos

Compartilhar :

Prof. Dr. Charles Schmidt: “É essencial discutir temas como conflitos de interesse, corrupção médica e compliance”. Clique na imagem para ver mais fotos

O evento ‘Desafios da Carreira na Área Médica’ ocorreu na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo dia 24 de novembro. Direcionado aos 5º e 6º anistas da Faculdade e residentes de 1º e 2º anos, enfocou temas essenciais na relação entre a Medicina, a Ciência e a Sociedade.

Organizadores do evento, o Prof. Dr. Charles Schmidt, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa , e o Dr. Wellington Briques, da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica (SBMF), enfatizaram a importância dos futuros médicos e residentes terem uma visão mais realista e menos romântica de um universo profissional repleto de possibilidades.

“Discutir temas como conflitos de interesse, corrupção médica e compliance é essencial, assim como um maior entendimento de que o médico não é um profissional isolado, mas integra um universo muito maior, que é o sistema de saúde”, afirmou Schmidt.

“Seja qual for a área médica escolhida, tanto na clínica médica, como na pesquisa e desenvolvimento ou qualquer outra, o profissional de sucesso precisa reunir alguns atributos, como dominar inglês, fazer residência, envolver-se desde cedo com pesquisa clínica, pensar as áreas de maneira filiar-se a entidades, participar de eventos e fazer cursos continuamente”, completou Briques.

Fundador da AboutMe, plataforma de vagas e talentos do Mercado de Saúde no Brasil, Newton Velloso discorreu sobre ‘Carreira Médica: como se preparar para o mercado – Plano de carreira’ juntamente com integrantes de sua equipe. “Identificar valores pessoais e habilidades, assim como estar aberto a novas experiências e habilidades é fundamental”, comentou.

Schmidt enfocou ainda o Código de Conduta Interfarma, entidade setorial, sem fins lucrativos, que representa empresas e pesquisadores nacionais ou estrangeiros responsáveis pela inovação em saúde no Brasil. “Estes agentes buscam, por meio da inovação, promover e incentivar o desenvolvimento da indústria de pesquisa científica e tecnológica no País voltada para a produção de insumos farmacêuticos, matérias-primas, medicamentos e produtos para a saúde humana”, explicou.

Angela Kung e Nicole Aun, da Pinheiro Neto Advogados, e Dagoberto Brandão, da SBMF trataram de ‘Responsabilidade Civil Médica’. Enfocaram a responsabilidade do médico, avaliada de maneira subjetiva quando uma conduta leva a um dano, com a culpa podendo ocorrer por negligência, imprudência ou imperícia do profissional envolvido. E mostraram a diferença dos casos que envolvem a indústria, onde basta a relação objetiva provada entre uma conduta e um dano para haver a punição.

‘Prevenção do Erro Médico’ foi o tema do Dr. Irimar Posso, da Faculdade de Medicina de  Taubaté e anestesiologista da USP e HIAE. Ele enfatizou a necessidade de o médico estar muito atento a tudo que coloca em seu prontuário. “É preciso manter sempre um bom relacionamento com o paciente e com a sua família, mantendo-os informados de tudo o que ocorre dentro dos protocolos existentes”, enfatizou

O Prof. Dr. Charles Schmidt falou ainda de ‘Conflitos de Interesse com a Indústria Farmacêutica e Dispositivos Médicos’. “Torna-se essencial que o os profissionais da área de Saúde conheçam suas responsabilidades e estejam muito atentos para não realizar procedimentos que podem ser passíveis de punição nas esferas civil, criminal, administrativa ou ética”, disse.

No encerramento, o Schmidt enfatizou que o evento alcançou seu principal objetivo de apontar aos jovens e futuros médicos as melhores formas de se preparar  profissionalmente para um mundo cada vez mais volátil, incerto, complexo e ambíguo, em que os médicos precisam estar sempre abertos para planejar as suas carreiras seja na área da assistência, acadêmica, empreendedora ou de negócios. “Não se isolar numa especialidade e não desrespeitar códigos de conduta é essencial”, finalizou.

70 visualizações

Compartilhar :